Quem nunca chegou a tal ponto que achou que enlouqueceria? Mas enlouquecer porque? Todo mundo tem um pouco de louco dentro de si.Muitas vezes escondemos ela dentro de armaduras que não permitem mostrar quem realmente somos, o que realmente pensamos. Antes que eu enlouqueça, mando um pouco da minha insanidade escondida dentro de minha armadura!

sábado, 29 de novembro de 2008

O último em Caxias!

Caso terminasse o ano agora, teria muitas expectativas correspondidas. Realmente estou conseguindo me formar nos quatro anos que me programei. E por uma sorte que nem todos conseguem, sairei da faculdade praticamente empregado, o que em épocas de crise é uma vantagem e tanto.
Como imaginei, fiz muitos amigos fora de casa. Só não imaginava que outra cidade fosse tão difícil. Por isso me apeguei tanto com as pessoas que se mostraram amigas neste período. Conforme havia sonhado algum dia, me tornei orgulho para minha família, e por mais que não esteja me formando em direito, como era o sonho de muitos, estou mostrando com minhas atitudes que tenho um futuro promissor na carreira que escolhi.
Porém, o que eu não imaginava era que tantas outras coisas aconteceriam até chegar aqui. E essas 'tantas outras coisas' é que a partir do momento que sair da faculdade e voltar para a 'vida real' do mundo é que farão parte do meu dia a dia.
Nunca imaginei ser pai tão cedo. Muito menos imaginei que quando estivesse saindo da faculdade ele já estivesse correndo e brincando por aí. Mas agora é a realidade da minha vida. A minha 'vida real'. E para ele que dedicarei muito mais tempo do que dedico hoje.
Também nunca achei que fosse amar do jeito que amei (e amo). Apesar do eterno sonho de ter uma família, achei que era muito louco para que alguém me aturasse. E realmente sou. Ainda bem que quem eu encontrei é quase tão confusa quanto eu para que alguém consiga aturar. Vai ver que é por isso que apesar de toda a distância estamos nos 'aturando' por quase um ano e meio. E que já começamos os preparativos para os 50 anos.
Nunca imaginei que até chegar aqui passaria por tanto trabalho quanto passei. De trabalhar em restaurante em troca de comida no início até vender doces no final. E por mais difícil que tenha sido passar por diversas outras adversidades no meio do caminho, saio feliz por todas essas coisas que me fizeram ser melhor e maior na minha 'vida real'.
'Vida real' sim. Ou alguém que lê este blog desde o início imagina que algo é real comigo? A graça é fazer o inesperado. O improvável. Aí sim. Essa sim é minha vida real! Viver. Simplesmente isso. Foi bom Caxias. Será melhor Pelotas, se Deus quiser. Por que falta de vontade de minha parte não faltará. E o futuro começa agora. Do meu presente. Do presente de quem faz parte da minha vida. E do futuro de quem eu quero que seja feliz. Incluindo a mim mesmo.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Sob o sol de novembro





Quando eu penso que há quatro anos e meio atrás eu ainda passava tardes inteiras dormindo depois que chegava da aula, chego a ficar nostáugico. Dias quentes como estes últimos eram ideais para abrir a janela e aproveitar o vento que mareava das árvores ao lado da minha casa.
lembrando pouco mais de quatro anos, quando descobri que teria que estudar em outra cidade, a alegria ao pular na cama aos gritos.
Sob o sol de novembro, este clima que vivemos agora, sempre me senti mais vivo. Sempre me senti mais apaixonado por viver. Acho que nunca vou conseguir me adaptar ao frio. E acho que nunca vou esquecer do quanto era bom poder sair para jogar bola às 19 horas e ainda estar dia, voltar fedendo a suor e deitar de novo a frente do ventilador.
Em 30 dias, provavelmente o ventilador volte a funcionar. Mas possivelmente o sono de depois do almoço não haverá mais. Mas isso é só parte de passos que se dá na vida. Mais um passo que estou dando. O futebol, não importa o horário, sempre existirá. E graças a Deus, o sol de novembro não há de deixar existir. E apesar de toda correria, com a chegada do sol de novembro, já me sinto mais vivo. Já me sinto mais apaixonado por viver. E estar perto de voltar me faz mais vivo.
video

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Menos de 2!


Quando eu achei que era muito, não era quase nada...
E às vezes que eu achei que era pouco, pareciam muito!
Agora realmente falta pouco...
e o que é melhor? PARECE POUCO!
É a realidade..
e é a razão de existir..
o eterno mudar-se..
estou de mudança...
as malas ainda não começaram a ser feitas..
mas o coração e a cabeça já estão morando longe daqui..
Parece loucura..
mas é a verdade...
e a razão de existir...
mudar-se..
estou me mudando pra perto das pessoas que eu quero..
estou quase perto...
falta pouco...
Menos de 2...
Ainda bem!

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Imagem


A imagem daquilo que nós somos, é a imagem clara daquilo que nós fazemos. Aprendi esses dias que existem vários "eus"(viva a Administração). Penso que já não tenho tantos. Por que a imagem daquilo que eu penso, é aquilo que eu vejo. E é aquilo que a maioria das pessoas vê. Mas quando os outros não veêm isso?
Talvez a imagem do futuro possa ser a mais clara possível. Minha casa, minha esposa, que hoje é minha namorada, meu filho, que venha jogar bola e vídeo-game comigo, e todo mundo que apareça fim de semana para aproveitar um churrasco num dia de sol. Mas a imagem do futuro, por mais nítida que seja, depende muito da imagem do presente.
Essa imagem do presente, acaba sendo a imagem da distância. A imagem da saudade. A imagem daquilo que o outro demonstra ser. Eu sempre demonstrei ser brincalhão. E quem realmente interessa para mim sabe que eu sou assim. Contudo, a imagem que os outros fazem de mim até pouco tempo atrás não me interessava muito. Mas agora, começou a interferir na imagem que vejo para o futuro.
Por isso que escrevo isto. Que hoje não há nada mais importante do que esta imagem do futuro. E mais do que qualquer imagem, o que me interessa mais é a imagem que essas pessoas fazem de mim. E essas pessoas são o futuro da minha vida. E são também aquelas que me fazem o presente ser um pouquinho mais fácil, se é que isso é possível com a saudade de quem está longe. Por isso, se você não está em algumas destas listas, e faz alguma imagem de mim, fale direto para mim. Juro que vou adorar saber. Mas não interfira no meu futuro. A sua imagem ficará sempre relacionada ao que os outros vêem. E o que vejo hoje é que os outros pensam de mais na minha imagem.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

O dia em que eu for Xinanda!

Tantas vezes a gente se coloca no lugar de outras. Seja para tentar ajudar, ou seja simplesmente para fazer um exercício tolo de especulação sobre a vida alheia. Eu, que de tão diferente que acredito ser, sempre faço as mesmas coisas que todo mundo. E por isso que hoje estou pensando no dia em que eu for xinanda.
Nesse dia provavelmente irei me acordar antes do despertador, e fique a esfregando os olhos até a hora que o intrepto aparelho berre no silêncio matinal. Vou olhar para o lado, para o chão, e algo no meu quarto vai parecer faltar.
Vou ir trabalhar, na solidão, sentindo que alguém poderia me acompanhar até lá. Trabalharei a manhã inteira numa concentração oriental. Ao meio-dia, quando o estômago já rasga de fome, sairei correndo, olharei a porta da galeria e notarei que não há ninguém como cara de sono a me esperando pra almoçar. Irei almoçar mesmo assim, mas sentirei que ao meu lado está apenas um lugar vazio.
Voltarei ao trabalho com a mesma concentração nipônica de antes. Porém, no meio da tarde, receberei uma mensagem. Meu coração se encherá de ternura. Suspirarei.
Ao fim da tarde, novamente não haverá ninguém a espera. Então caminharei até a faculdade, onde estarei ao redor de várias pessoas. Alguns rostos lindos, alguns corpos perfeitos, mas ninguém com o jeito bobo que me despertaria o amor.Durante os trabalhos de aula, lembraria como tem alguém que saberia me ajudar a fazer um vídeo ou uma apresentação.
Chegaria em casa ao fim do dia com um esgotamento impar. Tomaria café ou faria uma janta rápida. Deitaria na minha cama, pegaria meu telefone e pensaria que esta situação não estava mais agradando. Mas ligaria mesmo assim.
Depois de longa conversa, que em algns momentos me tirariam do chão, desligaria. Viraria-me para o lado e dormiria um sono profundo e merecido de quem trabalhou um dia inteiro.
Acordaria em Caxias novamente, e voltaria a ser Marcelo. Pensaria também que a situação está no limite, mas teria certeza de que todo esforço e toda luta valeriam a pena. E perceberia que meu dia nem é assim tão diferente do dia de xinanda. Até acreditaria que nossas vidas são iguais. Mas não são. Porém, estão muito próximas de estarem juntas. E assim vou poder contar como é o dia de xinanda: cheio de xalassa. Falta bem pouco!

sábado, 5 de julho de 2008

1 ano!

Talvez eu nem saiba o que quer dizer realmente 1 ano. Possivelmente 1 ano signifique simplesmente 365 dias passados. Mas no dia de hoje, vejo em 1 ano muito mais que isso. Pelo menos nesse último sim.
Daquela distante e mágica noite de 4 de julho passado, pouca coisa daquele que estava lá ficou. Nem mesmo os cabelos cacheados e compridos sobreviveram. Sobreviveu uma alma inquieta. E um sentimento de bem estar que perdura até hoje.
Acredito que de 4 de julho passado até hoje, tenha crescido em mim uma maturidade e uma responsabilidade que me fazem querer casar. Mas antes de qualquer coisa, aflorou o sentimento de saber o que é amor de verdade. E a certeza que depois deste sentimento, qualquer outro é mera consequência.
Foto hoje nem precisa. Se fosse pra colocar alguma foto teria que ser alguma que expresse tudo que eu sinto. E para isso seria necessário um álbum. O nosso álbum. Hoje de orkut, ano que vem de casamento, e depois todos os álbuns que vierem.O que fica hoje é a mensagem. E a certeza. Um ano como esse nosso é muito mais que um ano. Mas um ano assim como o nosso não é quase nada perto de uma vida inteira. Parabéns para nós!

terça-feira, 24 de junho de 2008

Gente de verdade


Quase pronto! Agora eu quase consigo respirar aliviado pelo esforço que fiz. Pensando em um futuro não muito distante talvez seja um pequenino passo. Pensando no presente, foi um dos maiores passos para o objetivo que sai de casa. Agora está quase pronto. Só falta eu convencer os outros daquilo que estou convencido: Me esforcei ao máximo! E acho até que consigo!
Porém, para alcançar este passo, foi necessário muito tempo na frente do computador. Foi preciso deixar de lado alguns momentos para ficar na frente do computador digitando. Foi necessário em alguns momentos, sair do mundo real e entrar em um mundo totalmente virtual. Mas acredite, o que realmente me deu força para conseguir chegar onde cheguei foram as pessoas de verdade.
Gente de verdade mesmo. Daquelas que dão risada junto. Daquelas que te emprestam o computador no fim de semana para o trabalho não parar. E por mais lento que tenha sido o trabalho nesses períodos, foram dos mais produtivos, afinal, a cabeça precisa descançar um pouco. E trabalhar com a cabeça descançada foi fundamental.
Gente de verdade. Daquele tipo que te faz carinho na hora do sono. Daquela espécie que canta as músicas erradas só pra te fazer rir mesmo. Daquele jeito de pessoa que toma café da manhã juntinho e que passa horas no supermercado imaginando os copos e os talheres que vai comprar quanto casar. Gente que faz um esforço incrível para te manter feliz nas horas do desespero. Ou que faz um esforço maior ainda pra mostrar que está junto na luta.
E a luta está quase vencida. Mas ainda não está. Por isso nunca é bom perder o foco daquilo que realmente se pretende, mesmo que esteja tão perto. E eu não perdi. Mas mesmo assim, precisa agradecer a este tipo de gente que graças a Deus vive perto de mim. Gente que saber ser amigo. Gente que sabe ser mulher. Gente que guardarei para sempre no coração. Ou gente que guardarei de baixo das minhas cobertas para o resto da vida. Gente meio louca...tipo assim... gente de verdade sabe?